Make your own free website on Tripod.com

Comparações entre as Peças

 

    Muitos estudiosos criam um valor comparativo entre as peças:

Peça Valor
Rei infinito
Dama 9 até 11
Torre 5
Bispo 3 ou 3 1/2
Cavalo 3
Peão 1

    Na minha opinião é muito difícil dar um valor para as peças porque este valores mudam muito desde o começo da partida até o final desta. Mudam também de enxadrista para enxadrista e em relação ao momento em que o enxadrista passa na sua vida.

    É lógico que no final da partida um rei e um (bispo ou cavalo) contra um rei não se consegue efetuar o mate, diferente de um rei e uma (torre ou dama) contra um rei.

    Quando se efetuam trocas de peças, geralmente procura-se ganhar qualidade trocando peças menores por maiores. Exemplo: PxC. Mas e se for uma armadilha do adversário com o objetivo de ganhar tempo e/ou posicionamento no tabuleiro? Será que os valores das peças na troca tiveram importância? Foi uma troca vantajosa considerando-se estes dois fatores?

    Qual é o valor de um peão à ponto de ser coroado em comparação a um peão em sua casa inicial? Ou de uma torre na início da partida comparada com uma torre que acabou de rocar?

    Existem pessoas que se adaptam bem ao movimento do cavalo, este consegue ameaçar as outras peças sem sofrer ameaças delas na mesma jogada, mas é mais fácil de um rei e dois bispos contra um rei efetuarem o mate do que um rei e dois cavalos contra um rei.

    O rei tem valor infinito durante a partida, mas segundo alguns teóricos tem valor 4 de combate. A medida que as peças vão acabando, o rei passa de uma posição defensiva para uma posição ofensiva porque torna-se necessário obter fontes para ataque.

    Outros mestres dizem que o valor das peças é proporcional ao número de casas que dominam desde o centro do tabuleiro.

    Conclusão: estes valores só existem para se ter uma noção, não dever ser considerados ao pé da letra pois isto acarretaria um vício.